segunda-feira, 27 de outubro de 2008

Eu odeio o tempo.

Eu odeio o tempo
e o quanto ele me faz esperar.
Não vai rápido ou lento,
por vontade minha.
Segue sem amarras...
Esvazia aquelas horas de alegria.

o presente, cheio de nós,
Derrama, no futuro, o frio.
Fluído e penetrante.
Que, do corpo, leva a saudade.
Das ilusões partidas.