quarta-feira, 24 de março de 2010

Ciranda do vento

E-mo-ti-va.
Cheia dessas dores de viver.
De ser feliz.
Como um vento rasteiro.
Passa cheio, travesso.
Eleva a poeira densa,
bagunça os pensamentos,
mistura às lembranças.

Vão bailando devagar.
Pensamento e lembrança,
dançam como par.
Rodopiam, se exibindo.
Querendo me conquistar.
Cada passo, um afeto.
Uma alegria serena.
Uma alegria chorosa.

E o vento:
minha trilha musical!
Embala essa ciranda,
embola essa poeira,
leva o meu fôlego
e deixa lágrimas...
de alívios, de saudades,
de sentimentos plurais
demais...
Vento,
passa por mim,
pra mim,
de mim.
Deixa os pares
da minha reconstrução.
Leva os descompassos
do meu coração.

Nenhum comentário: