terça-feira, 27 de julho de 2010

Saudade.


Tem dia de saudade.
Uma dorzinha alfinetada
em pleno sol de inverno.
Aquele azulzinho tranquilo,
aquele ventinho gostoso
e parece abafado.
Algo faltando
e ninguém se importa!

Refletida.

Tem saudade de dia.
Um alfinetezinho dolorido
em pleno inverno no sol.
Aquela tranquilidadezinha azul
aquela gostosurazinha de vento
e o abafado aparece.
Falta alguma
e ninguém importante!
Não tenho mais
aquela inocência.
Não guardo mais
aquelas lembranças.
Aquelas cartas minhas...
Ainda sou eu?
Em quantas caixas
me guardei?
Em quantos pensamentos
me guardaram?
Dá-me um lápis
de cor vermelho.
Dá-me esperança.
Seja lá quem for seu dono...

Aquela inocência
não me tem mais.
Aquelas lembranças
não me guardam mais.
Aquelas que sou...
Ainda são minhas cartas?
Em quantas de mim
me encaixei?
Em quantos guardados
me pensei?
Rabisque-me uma dádiva
de vermelho colorido.
Espera-me numa dádiva
Seja dono do que for...
(Rangel)




sexta-feira, 23 de julho de 2010

Manifesto.

Vamos desafiar a frieza que se manifesta em nossa sociedade de consumo e pressa, com AMOR. Mas não o amor como palavra e sim aquele manifesto. O manifesto que escrevemos toda vez que dizemos "eu te amo" a quem realmente amamos, que abraçamos carinhosamente aqueles por quem temos carinho e escutamos aqueles a quem nutrimos respeito. Amar não é cafona, nem fora de moda, é humano! Sejamos humanos no melhor da palavra!

segunda-feira, 19 de julho de 2010

Peleja versada.


Lobo:
_ Identificação ?!?!? rs. Ela canta e eu danço instintivamente.
_ Debooooooche! (som fazendo curva)
Anjo:
_ hahahahahahaha (risada cristalina).
Lobo:
_ Muito. Meu corpo mexe no som do deboche.
_ Hahahahahaha (risada cretina).
Anjo:
_ uahauahauahaauhaauahau (risada gozada)
_ Isso daria uma música!!!!! (Idéia colorida!)
_ Música tropicalista ou à la Chico Buarque.
_ Brincando com as sílabas... :D
Lobo:
_ É...
Meu corpo balança com suas mazelas,
Suas celas...
Remexe, mexe, remexe, sua mazela, remexe.
Ao som da lira que cria,
O som da minha poesia,
remexe, mexe.
_ hahahahaha (risada divertida)
Grades que se quebram,
requebram,
amolecem à sua temperatura...
Ebulição! Explosão!
Uma certa... Satisfação (huuuummm)
Consolação.
Tormenta, cinzenta.
Augustaaaaaaaaa.....
Outra louca!
Fumaça,
Cinzenta. A cor de magenta?
Dos lábios escarnados.
Disfarça...
que seus risos cínicos,
Magenta mexe a fumaça.
perversos...
Debocham da minha atenção.
Perversos versos que pensam.
Pensam não!
Escracham meu interesse.
E meus impulsos
servis e amigáveis...
Zomba, bumba, tomba.
Maldita!
Instáveis versos que remexem.
Que pulsam , se mexem.
Me arrasta,
Letras esquálidas, remexem.
Perversam o versar de um pervertido.
Pervertida!
Esfola minhas idéias tolas.
Revela que sou assim
ridícula, lúcida e caótica.
Amyniótica.

(Mônica e Anna: as irmãs cajazeras )

quarta-feira, 14 de julho de 2010


Quero uma dose de silêncio,
uma porção de afeição,
e uma sopa quentinha de sossego.

Pra viagem, não!
Pra casa!