segunda-feira, 19 de julho de 2010

Peleja versada.


Lobo:
_ Identificação ?!?!? rs. Ela canta e eu danço instintivamente.
_ Debooooooche! (som fazendo curva)
Anjo:
_ hahahahahahaha (risada cristalina).
Lobo:
_ Muito. Meu corpo mexe no som do deboche.
_ Hahahahahaha (risada cretina).
Anjo:
_ uahauahauahaauhaauahau (risada gozada)
_ Isso daria uma música!!!!! (Idéia colorida!)
_ Música tropicalista ou à la Chico Buarque.
_ Brincando com as sílabas... :D
Lobo:
_ É...
Meu corpo balança com suas mazelas,
Suas celas...
Remexe, mexe, remexe, sua mazela, remexe.
Ao som da lira que cria,
O som da minha poesia,
remexe, mexe.
_ hahahahaha (risada divertida)
Grades que se quebram,
requebram,
amolecem à sua temperatura...
Ebulição! Explosão!
Uma certa... Satisfação (huuuummm)
Consolação.
Tormenta, cinzenta.
Augustaaaaaaaaa.....
Outra louca!
Fumaça,
Cinzenta. A cor de magenta?
Dos lábios escarnados.
Disfarça...
que seus risos cínicos,
Magenta mexe a fumaça.
perversos...
Debocham da minha atenção.
Perversos versos que pensam.
Pensam não!
Escracham meu interesse.
E meus impulsos
servis e amigáveis...
Zomba, bumba, tomba.
Maldita!
Instáveis versos que remexem.
Que pulsam , se mexem.
Me arrasta,
Letras esquálidas, remexem.
Perversam o versar de um pervertido.
Pervertida!
Esfola minhas idéias tolas.
Revela que sou assim
ridícula, lúcida e caótica.
Amyniótica.

(Mônica e Anna: as irmãs cajazeras )

4 comentários:

Anna Anjos disse...

Poesia da contemporaneidade colorida em moléculas de H2O !!
A água como elemento de união de duas terras tão próximas e igualmente distintas! A chuva que molha a "terra da garoa" cuja água brota do oceano de terras cariocas. A chuva paulistana que retorna para mais uma viagem e repousa na superfície do mar sob o espelho das ondas...!

:D :D :D

Mônica Lobo disse...

Nem o frio, nem a aurora boreal galcial podem desfazer essas pontes de hidrogênio que dançam sua dança maleável e eterna.

Alexandre Soma disse...

Que mole o molejo intrépido... Moléculo, gestículo. Coço, sou de mico e elétrons que pulam o infinito, mórbido, sórdido, inconspícuo!

Mônica Lobo disse...

Adorei o "inconspícuo"!