sábado, 16 de outubro de 2010

Pobre fio solítário.
Decretou sua velhicitude.
Se enroscou, embranqueceu.
Desistiu de lutar.

Entregou sua riqueza,
dourada e brilhante,
para os meses desonestos.

Inspirou-se no nublado
dos dias sem esperança.
Perdeu-se das cores
dos dias suaves.

Não será mais
empregnado de sol.

Não recordará mais
a leveza e a inocência
dos cachos dourados.
Anos dourados,
vibrantes, arejados.

Ficou o vento
a perturbá-lo,
a lembrá-lo
dentre os loiros
que ele é início
e fim também.